Pesquisar

Estudo mostra emissões de CO2 causadas pelo desmatamento menores que o estimado antes

Kioskea quinta 21 de junho de 2012 - 17:09:30


Protesto do Greenpeace em novembro de 2008 em Berlim

As emissões de dióxido de carbono (CO2) provenientes do desflorestamento nas zonas tropicais são bem menores do que o estimado até então, revela nesta quinta-feira um estudo americano realizado com base em dados de satélites, que apontou o Brasil como um dos maiores poluidores.

As emissões de dióxido de carbono (CO2) provenientes do desflorestamento nas zonas tropicais são bem menores do que o estimado até então, revela nesta quinta-feira um estudo americano realizado com base em dados de satélites, que apontou o Brasil como um dos maiores poluidores.

De 2000 a 2005, essas emissões foram de apenas 810 milhões de toneladas por ano, ou seja, cerca de um terço do volume estimado recentemente. Isso representa apenas 10% do CO2 total de origem humana jogado na atmosfera, segundo os pesquisadores.

Em seus trabalhos divulgados na revista Science, os cientistas se concentraram nas perdas de CO2 devido a uma redução causada pelas árvores das florestas tropicais, sem levar em consideração o reflorestamento que permite captar dióxido de carbono.

De 2000 a 2005, o Brasil e a Indonésia foram os dois países que produziram mais CO2 devido ao desmatamento, com 55% do total dessas emissões, indica o estudo realizado por esses pesquisadores de Winrock International, um instituto americano privado de pesquisa sobre meio ambiente sem fins lucrativos.

Esta equipe é composta também por cientistas da empresa Applied GeoSolutions, de um laboratório da Nasa e da Universidade de Maryland (leste).

Segundo essas análises, cerca de 40% das perdas de cobertura florestal estavam concentradas nas zonas secas dos trópicos, mas estas contribuíram apenas com 17% das emissões de CO2 resultantes do desmatamento, devido aos seus pequenos estoques de dióxido de carbono em comparação com os das florestas tropicais úmidas.

Em 2007, a melhor estimativa das emissões de CO2 causadas pelo desmatamento, estabelecida pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU (IPCC) e baseada na utilização das terras, as avaliou em cerca de 1,9 trilhão de toneladas por ano.

"O modelo contábil para calcular as emissões de CO2 com base nas mudanças na utilização das terras era até então o melhor método", afirma Nancy Harris, do Instituto Winrock e principal autor do estudo.

"Mas o surgimento de satélites de observação da Terra combinado com uma política internacional que busca reduzir as emissões de CO2 resultantes do desmatamento nos países em desenvolvimento levou a comunidade científica a adotar métodos de estimativa mais transparentes e cada vez mais dependentes de dados de satélite", explica.

Esses pesquisadores esperam também que o mecanismo da ONU que propõe compensar os países em desenvolvimento pela redução de suas emissões de CO2 provocadas pelo desmatamento e pela degradação das florestas seja beneficiado de uma estimativa mais exata do dióxido de carbono jogado na atmosfera.

© 2012 AFP

Adicionar comentário

Comentários

Adicionar comentário