Cúpula Rio+20 começa oficialmente com foco na economia verde

Kioskea quarta 20 de junho de 2012 - 12:09:59


Ban Ki-moon (C), Dilma Rousseff e o secretário-geral da Rio+20, Sha Zukang, inauguram a conferência

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, abriu oficialmente nesta quarta-feira a Conferência da ONU para o Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, onde deverão discutir durante três dias propostas para a erradicação da pobreza paralelamente à defesa do meio ambiente.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, abriu oficialmente nesta quarta-feira a Conferência da ONU para o Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, onde deverão discutir durante três dias propostas para a erradicação da pobreza paralelamente à defesa do meio ambiente.

"Vinte anos depois, temos outra chance (...). Não a desperdiçaremos", afirmou Ban Ki-moon.

Em torno de 191 membros da ONU e 86 líderes globais participam da conferência.

O evento ocorre 20 anos depois da Rio 92, quando os países pediram ações para combater as mudanças climáticas, a desertificação e a extinção das espécies.

"Estou satisfeito que as negociações tenham chegado a uma conclusão satisfatória (...). Um acordo histórico está a nosso alcance", disse ainda Ban Ki-moon.

"O mundo está nos observando para ver se as palavras se traduzem em ações, como sabemos que acontecerá. A Rio+20 não é um final, é um começo. É hora de todos pensarmos globalmente e a longo prazo, começando aqui no Rio, porque o tempo não está do nosso lado", completou.

"Não tenho dúvida de que estaremos à altura dos desafios que a situação global nos impõe", disse, por sua vez, a presidente Dilma Rousseff, ao assumir a chefia da conferência.

O encontro começou com a exibição de um curta-metragem de três minutos chamado "Bem-Vindos à Antropocena", com imagens dramáticas sobre as mudanças no meio ambiente desde a Revolução Industrial.


Brittany Trifold, uma neozelandesa de 17 anos, cobrou ações das autoridades

O encontro começou com a exibição de um curta-metragem de três minutos chamado "Bem-Vindos à Antropocena", com imagens dramáticas sobre as mudanças no meio ambiente desde a Revolução Industrial.

"Estão aqui para salvar sua imagem ou nos salvar?", perguntou, por sua vez, Brittany Trifold, uma neozelandesa de 17 anos, que com uma mensagem aos líderes buscou alertá-los a tomar ações concretas que beneficiem a humanidade no longo prazo.

"Vocês já prometeram combater a pobreza, as mudanças climáticas. As multinacionais já prometeram compensar sua poluição. Essas promessas foram feitas e nosso futuro ainda está em perigo. Estamos cientes de que o tempo está acabando", disse a jovem, completando que os líderes mundiais têm "72 horas para decidir o destino de nossas crianças".

Na cúpula participam, entre outros, o primeiro-ministro chinês Wen Jiabao, o russo Dimitri Medvedev e o indiano Manmohan Singh, assim como o presidente francês François Hollande, o sul-africano Jacob Zuma, o iraniano Mahmud Ahmadinejad, o cubano Raúl Castro e a maioria dos latino-americanos.

Mas também há grandes ausências, como as do presidente americnao Barack Obama e a chefe do governo alemão, Angela Merkel.

Cerca de 191 discursos devem ocorrer até a sexta-feira, quando os líderes encerrarão a conferência dando seu parecer sobre o documento de 53 páginas fechado pelos negociadores na terça-feira.

Nesta quarta-feira, os principais bancos de desenvolvimento do planeta anunciaram, paralelamente à Rio+20, um pacote de 175 bilhões de dólares para apoiar o transporte sustentável em países em desenvolvimento.

No centro do Rio, a 40 km da cúpula oficial, também haverá manifestações. Milhares de indígenas, ecologistas e estudantes se preparam para marchar exigindo soluções concretas para os principais problemas da Terra.

© 2012 AFP

Adicionar comentário

Comentários

Adicionar comentário