Kioskea
Recherche

Empresários discutem desenvolvimento sustentável na Rio+20

Kioskea sábado 16 de junho de 2012 - 21:02:41


Funcionário da companhia Fujitsu mostra um supercomputador da empresa no Parque dos Atletas, onde países apresentam projetos para um futuro verde, na Rio+20

Centenas de líderes empresariais participaram pela primeira vez de uma conferência mundial sobre desenvolvimento sustentável no âmbito da conferência Rio+20, com debates sobre negócios que protegem o meio ambiente e incentivam o crescimento.

Centenas de líderes empresariais participaram pela primeira vez de uma conferência mundial sobre desenvolvimento sustentável no âmbito da conferência Rio+20, com debates sobre negócios que protegem o meio ambiente e incentivam o crescimento.

As conclusões deste evento, celebrado no Rio deste sábado até a segunda-feira, "serão entregues ao secretário-geral (da ONU Ban Ki-moon) em 21 de junho" durante a cúpula, que reunirá mais de uma centena de chefes de Estado e de governo na semana que vem no Riocentro, disse à AFP Tim Wall, porta-voz do Pacto Mundial da ONU.

O fórum reúne, além de presidentes e gerentes das maiores corporações do mundo, representantes de organizações ambientalistas, autoridades governamentais e membros de diferentes programas das Nações Unidas.

A intensa agenda, que envolve mais de duas mil pessoas, está dividida em abordar temas como energia e clima, água e ecossistemas, agricultura e alimentos, desenvolvimento social, urbanismo e cidades, bem como economia e desenvolvimento sustentável.

"Se a sustentabilidade fosse um negócio, como fazer para administrá-lo?", propunha uma das palestras deste sábado, que debatia formas de incentivar as empresas a ser "mais verdes" e conquistar consumidores que exijam este tipo de produtos, embora tenham que pagar um pouco mais por isso.

"Está comprovado em pesquisas de opinião que os consumidores se dizem dispostos a pagar mais por produtos orgânicos, mas na hora de chegar à prateleira, não é o que acontece", afirmou Daniel Giovannucci, diretor e fundador da COSA, organização que avalia indicadores sobre sustentabilidade.

No sábado, 39 instituições financeiras de todo o mundo, entre as quais se destacam o banco espanhol BBVA e a estatal brasileira Caixa Econômica Federal, anunciaram um compromisso para integrar o "capital natural" (o valor dos recursos naturais) em suas decisões financeiras.

A 'Declaração do Capital Natural' insta, ainda, às autoridades reunidas na Rio+20 a modificar legislações e regulamentações para que incentivem o desenvolvimento de produtos e serviços financeiros que levem em conta a preservação dos recuros naturais do planeta.

"Os bens do ecossistema e serviços do capital natural valem trilhões de dólares ao ano", diz a declaração.

A iniciativa "trará uma riqueza real para o planeta de um espectro invisível para outro visível, de forma a ir da degradação (do meio ambiente) à gerência sustentável de comunidades, negócios e países", afirmou Achim Steiner, diretor executivo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma).

"O setor privado deve criar um impulso posterior ao Rio de Janeiro para se assegurar de que a valorização do capital natural se incorpore às decisões de investimento público e privado do setor. Para conseguir isso, são necessários novos indicadores e mudanças nas políticas de governo", comentou o diretor geral da ONG Fundo Mundial para a Natureza (WWF), Jim Leape.

Durante o fórum, o gigante americano de buscas na internet Google anunciou a inclusão, em seu serviço de mapas, da etnia indígena suruí, que habita o coração da Amazônia brasileira, e lançou uma plataforma que mostra os traços culturais desta comunidade ameaçada pelo desmatamento.

© 2012 AFP

Adicionar comentário

Comentários

Adicionar comentário