LinkedIn reconhece roubo de senhas em site

Kioskea quarta 6 de junho de 2012 - 20:28:09


Silveira afirma que as senhas das contas apreendidas já não eram válidas

A rede social profissional LinkedIn reconheceu nesta quarta-feira que algumas das senhas de seus membros foram roubadas depois de informações apontarem que as contas de mais de 6,4 milhões de usuários do site foram indevidamente acessadas.

A rede social profissional LinkedIn reconheceu nesta quarta-feira que algumas das senhas de seus membros foram roubadas depois de informações apontarem que as contas de mais de 6,4 milhões de usuários do site foram indevidamente acessadas.

"Podemos confirmar que algumas das senhas captadas correspondem a contas LinkedIn. Continuamos investigando a situação", afirmou Vicente Silveira, do LinkedIn, em uma entrada de blog.

Silveira afirma que as senhas das contas apreendidas já não eram válidas e que os membros afetados receberão instruções sobre como mudá-las.

"Não haverá links nesses emails. Por razões de segurança, nunca devemos mudar uma senha a partir de um link enviado por email", afirmou.

Para os demais membros, o LinkedIn colocou em andamento uma "segurança reforçada" para a proteção da senha, completou.

Vários investigadores de segurança informaram a violação dos dados, publicada em um fórum de hackers russo.

Graham Cluley, a empresa britânica Sophos, disse que a publicação "contém, ao menos em parte, senhas do LinkedIn".

"Apesar de os dados publicados até o momento não incluírem endereços de email associados, é razoável supor que tal informação pode estar nas mãos dos criminosos", disse Cluley em um blog.

Como consequência, disse Cluley, "parece razoável sugerir a todos os usuários do LinkedIn que mudem suas senhas o mais rápido possível como medida de precaução".

Disse que os usuários devem assegurar-se de que a senha que escolheram não seja a usada em outro site.

"Se utilizam a mesma senha em outros sites, é necessário mudá-la também, e nunca mais usar a mesma senha em vários sites", recomendou.

© 2012 AFP

Adicionar comentário

Comentários

Adicionar comentário