Kioskea
Recherche
Faça uma pergunta »

A sincronização do flash

Fevereiro 2015


Apresentação


A sincronização é a maneira de coordenar a abertura do obturador com a duração do flash. Para o flash eletrônico, o que encontramos atualmente nos fabricantes, chamamos de sincronização X (antigamente chamada de sincronização M para o flash de combustão).

Existem vários tipos de sincronização de flash, cada uma dependendo da velocidade do obturador: a sincronização primeira opção, que é ativada por padrão em sua câmera, a sincronização segunda opção, que é usada em baixa velocidade e a sincronização de alta velocidade para isolar um objeto (ou sujeito) em movimento.

A sincronização primeira cortina


É o modo de sincronização selecionado por padrão pela câmera. O flash envia um breve flash quando o obturador é ativado, a abertura da primeira cortina. Apesar deste método ser eficaz para a maioria das velocidades de obturação, ele é limitado e apresenta incoerências quando se fotografa um objeto em movimento em baixa velocidade. O movimento do sujeito não aparece no sentido lógico, mas no oposto.

A sincronização segunda cortina


É um modo avançado a ser ajustado em seu aparelho. Ele permite ver o movimento do sujeito graças a uma baixa velocidade de obturação. Ao contrário do modo anterior, onde o flash dispara na abertura da primeira cortina, esta "dispara" logo antes que a segunda cortina se feche. Este método mantém a impressão de movimento do sujeito, como pode ser visto, com frequência, em fotos esportivas ou em reportagens.

Além da impressão do movimento, podemos usar esta técnica para criar um efeito de sobreposição. Em um tempo de exposição lenta de alguns segundos, por exemplo, você pode ver o cenário e ver um personagem passar. Vejamos um tempo de exposição de 10 segundos: o personagem ainda não está no quadro de disparo e, depois, ele vem posar em um local específico; o flash parte quando se está bem colocado. Como o flash não disparou durante a preparação, não vamos ver o movimento, mas só no momento em que ele já está no quadro, fixo.

A sincronização de alta velocidade


O uso de duas cortinas nos obturadores de uma grande maioria das câmeras causa um problema técnico: a velocidade muito alta do obturador impede obter uma imagem correta. Até 1/125s ou 1/250s, em algumas câmeras, o obturador fica totalmente aberto, a primeira cortina se abre enquanto que a segunda ainda não se fechou. Além desta velocidade do obturador, a imagem ficará parcialmente preta, porque a segunda cortina se fecha, enquanto que a primeira ainda não terminou o seu trabalho: o obturador só está parcialmente aberto.

Para contrariar este efeito e permitir o uso do flash além de 1/250s, os fabricantes desenvolveram um modo de sincronização de alta velocidade. Ao invés de enviar um único flash, o flash emite uma série de flashes mais fracos, mas com uma duração maior. Podemos, então, obter uma ação do flash, seja qual for a velocidade, em toda a imagem.


Existe outra técnica para não depender da velocidade e do funcionamento do obturador com cortina. Devemos usar um obturador central, como podemos encontrar em algumas ópticas para formato médio. Foi com este tipo de material que Dominique Amphonesinh fez esta imagem com um flash de estúdio (ver foto abaixo).




Tradução feita por Lucia Maurity y Nouira
Para uma leitura offline, é possível baixar gratuitamente este artigo no formato PDF:
A-sincronizacao-do-flash.pdf

A ver igualmente

Na mesma categoria

Publicado por pintuda
Este documento, intitulado « A sincronização do flash »a partir de Kioskea (pt.kioskea.net) está disponibilizado sob a licença Creative Commons. Você pode copiar, modificar cópias desta página, nas condições estipuladas pela licença, como esta nota aparece claramente.