Linux - Instalação de softwares

Maio 2015

Os diferentes tipos de arquivos


Existem várias maneiras de recuperar um aplicativo que funciona no Linux :

  • [# rpm Sob a forma de pacotes RPM]. Trata-se de um arquivo com a extensão . rpm permitindo uma instalação automática, para as distribuições Linux como o Red Hat ou o Mandrake.
  • [# deb Sob a forma de pacotes DEB]. Trata-se de um arquivo com a extensão . deb permitindo uma instalação automática, para distribuições Linux Debian.
  • [# arquivo Sob a forma de arquivo] formulário. São arquivos compactados com a extensão . tar.gz , . gz ou . tar.bz2 .


No segundo caso, trata-se, geralmente, das fontes do software. Você precisa [# compilar, compilar o programa em sua máquina] para ornar sua execução possível.

Os pacotes RPM


RPM (Red Hat Package Manager) é, como indica o seu nome (em inglês), uma ferramenta de gestão de pacotes (conjunto de arquivos que compões um aplicativo) para o Linux. Ele permite instalar e excluir os aplicativos, facilmente.
Graças a um simples comando, os arquivos se instalam, diretamente, nos diretórios « adequados ».
RPM tem quatro utilidades adicionais:

  • Atualizar os pacotes: Quando você recupera uma nova versão de um pacote, não é necessário desinstalar a versão anterior, antes de instalar a nova. Na verdade, o RPM permite uma atualização automática dos pacotes!
  • Interrogação: com o RPM você pode conhecer o conteúdo de um pacote, e também, saber a que pacote pertence um arquivo.
  • Verificação do Sistema : com o RPM você pode verificar a integridade de um pacote (isto é, determinar se todos os arquivos contidos no pacote foram instalados no sistema.
  • Acesso às fontes : o RPM oferece aos usuários um pacote de fontes, assim como, as instruções necessárias para a compilação, caso os usuários queiram modificar os arquivos do pacote.


Veja os comandos das 5 funcionalidades principais:

  • Instalação: para instalar o pacote"mpg123-0_59p-1_i386.rpm" basta digitar :

rpm -ivh mpg123-0_59p-1_i386.rpm

Se o pacote já foi instalado anteriormente, o sistema exibirá a seguinte mensagem:
package mpg123-0_59p-1 is already installed
(A opção -« replacepkgs » força a instalação)
  • Remoção: para remover um pacote, basta digitar :

rpm -e mpg123

(Onde mpg123 representa o nome do pacote a ser desinstalado; será outro nome para você...)
  • Atualização: Para atualizar um pacote (Isto pressupõe que uma versão anterior do pacote já foi instalada...) você deve digitar o comando:

rpm -Uvh mpg123-0_59p-1_i386.rpm
  • Interrogação : Existem vários comandos para interrogar um ou mais pacotes, de acordo com vários critérios. São eles:
    • Para saber detalhes sobre um pacote, em particular:

rpm -q mpg123-0_59p-1_i386.rpm
    • Para interrogar todos os pacotes existentes:

rpm -qa
    • Para interrogar os pacotes contendo um arquivo, em particular:

rpm -f NomDuFichier
    • Para obter informações sobre um pacote:

rpm -p NomDuPackage
  • Verificação: Esta opção permite que você compare as diferenças entre o pacote instalado e o pacote como deveria ser. Os comandos são:
    • Para verificar, em relação a um arquivo, em particular:

rpm -Vf NomDuFichier
    • Para verificar todos os pacotes:

rpm -Va
    • Para verificar um pacote, em particular:

rpm -Vp NomDuPackage

Quando não há erro, o sistema não mostra nada. Se, por outro lado, um erro foi detectado no pacote instalado, o sistema retorna uma seqüência de oito caracteres indicando o tipo de erro. Veja o significado dos caracteres
    • D: Periférico
    • G: Grupo
    • L: Link simbólico
    • M: Modo (Permissões)
    • T: data do arquivo
    • S: Tamanho do arquivo
    • U: Usuário

Pacotes DEB


A ditribuição Debian propõe uma ferramenta de gerenciamento de pacotes para automatizar a instalação, a configuração e a atualização dos softwares instalados através dela. Os pacotes Debian são arquivos com a extensão . deb e pode ser instalados manualmente, graças ao seguinte comando:

dpkg -i nome_do_pacote.deb


além disso, um sistema adicional foi desenvolvido para gerenciar as dependências entre os diversos pacotes e atualizá-los, através do download: trata-se do sistema apt (< ital> Advanced Packaging Tool</ital>). Este sistema funciona a partir de uma lista de fontes (locais onde os pacotes estão disponíveis), presente no arquivo / etc / apt /sources.list.

Veja os comandos das funcionalidades principais:

  • Instalação: para instalar o pacote "nome_do_pacote", basta digitar:

apt-get install nome_do_pacote

ou depois de recuperar, manualmente, um pacote específico (coma extensão .deb)
dpkg --install nome_do_pacote.deb      
ou      
dpkg -i nome_do_pacote 

Em caso de problema de dependência, é possível (mas não é recomendado, exceto em conhecimento de causa) forçar a instalação com o seguinte comando:
apt-get install -f nome_do_pacote 
  • Simulação de instalação: pode ser útil simular a instalação do pacote, antes de sua instalação, para conhecer exatamente os pacotes dependentes que serão instalados, e estimar os eventuais problemas:

apt-get install -s nome_do_pacote 
  • Remoção: para remover um pacote, basta digitar:

apt-get remove nome_do_pacote 

Este comando exclui o pacote, mas mantém os arquivos de configuração. Para remover, igualmente, os arquivos de configuração, basta utilizar o seguinte comando:
apt-get remove --purge nome_do_pacote 
  • Reconfiguração: para reconfigurar um pacote, basta digitar:

dpkg --reconfigure nome_do_pacote 
  • Atualização da lista: Para atualizar a lista dos pacotes, digite o comando:

apt-get update
  • Atualização dos pacotes: A atualização dos pacotes, em si, é feita graças ao seguinte comando:

apt-get upgrade

É recomendado executar este comando com o interruptor -u para conhecer a lista exata dos pacotes que vão ser atualizados:
apt-get -u upgrade

Com o seguinte comando, você também pode atualizar os pacotes, preservando as dependências, a fim de manter um sistema mais coerente:
apt-get dist-upgrade
  • Limpeza: a cada instalação de um software, o sistema APT baixa o pacote interessado e o armazena em um repositório local. Depois de um certo tempo, a lista dos pacotes conservados pode se tornar importante e consumir espaço no disco; é por esta a razão, que é importante limpar esses arquivos. O comando clean remove todos os pacotes não bloqueados, o que significa que o pacote será baixado novamente, caso deva ser reconfigurado:

apt-get clean

O comando autoclean remove todos os pacotes que não estão disponíveis para download (e, em princípio, obsoletos) :
apt-get autoclean
  • Interrogção : Existem vários comandos para interrogar um ou mais pacotes, de acordo com vários critérios. São eles:
    • Para conhecer a lista dos pacotes com uma palavra-chave, em particular:

apt-cache search palavra_chave
    • Para obter mais informações sobre um determinado pacote:

apt-cache show nome_do_pacote
    • Para exibir as dependências de um pacote:

apt-cache depends  nome_do_pacote 
    • Para saber a que pacote pertence um arquivo:

apt-file search nome_do_pacote 
    • Para conhecer a lista dos arquivos de um pacote:

apt-file list nome_do_pacote 



O software deborphan indica o nome de todas as bibliotecas que não são utilizadas no sistema debian. Estas bibliotecas são chamadas « orfãs » por que nenhum pacote depende delas. Esta ferramenta é prática, principalmente, para limpar pacotes inúteis.

Enfim, saiba que existem interfaces gráficas que simplificam a gestão dos pacotes:

  • Aptitude
  • Synaptid
  • Gnome-apt
  • Wajig

Descompactar os arquivos


Os programas são, na maioria das vezes, fornecidos compactados, ou seja, em um formato mais compacto, para diminuir o tamanho do programa, sobretudo, para facilitar o seu download. É o programa GZIP que faz esta compactação. Vários arquivos podem ser reunidos em um só, para facilitar o transporte; este é o papel do programa TAR. Finalmente, os arquivos podem ser compactados e reunidos em um arquivo com a extensão .tar.gz.

Os dados compactados existem em vários formatos:

  • Tar: os dados nesse formato têm a extensão .tar

Para descompactar este tipo de dado, é preciso digitar, na linha de comando:
tar xvf nome_do_arquivo .tar
  • Gzip: os arquivos compactados em Gzip possuem a extensão .gz

Para descompactar esses arquivos, é preciso digitar, na linha do comando:
gunzip nome_do_arquivo .gz
  • Bzip2: os arquivos compactados em Bzip2 possuem a extensão .bz2

Para descompactar esses arquivos, é preciso digitar, na linha do comando:
bzip2 -d nome_do_arquivo .bz2
  • Tar/GZip (geralmente conhecido como Tarball): os dados compactados em TAR e em GZIP possuem a extensão .tar.gz

Eles podem ser descompactados, sucessivamente, pelos dois meios listados acima ou usando o comando:
tar zxvf nome_do_arquivo .tar.gz
</ital>
  • Tar/BZip2: os dados compactados em Tar e em Bz2 possuem a extensão .tar.bz2

Eles podem ser descompactados, sucessivamente, pelos dois meios listados acima ou usando o comando:
tar jxvf nome_do_arquivo .tar.bz2
</ital>
  • Compress: os arquivos armazenados pelo programa Compress possuem a extensão .Z, eles podem ser descompactados pelo programa Uncompress.

Compilar o programa


Quando o programa é um arquivo (e não um RPM), geralmente é preciso, compilar as fontes.


Embora a compilação seja feita, quase sempre, da mesma maneira, para a maioria das aplicações, é recomendado ler o arquivo INSTALL ou README , para conhecer, exactamente, os comandos necessários para compilar o programa.

Em primeiro lugar, executar o comando:

./configure
</ital> Este comando é um script, que adapta o programa à máquina em uso. As opções do « configure » são:
  • Para obter ajuda :

./configure --help
</ital>
  • Para instalar o aplicativo em um diretório específico:

./configure --prefix="diretório"
</ital>

Em segundo lugar, compilar o programa, graças à diretiva

make
</ital> Este comando pode levar alguns minutos/horas, dependendo da sua configuração e do software a ser compilado. Caso haja problemas, a compilação vai parar e enviar uma mensagem de erro. Se tudo correr normalmente, várias linhas aparecerão, e o programa voltará para a linha de comando.

Depois de compilar o aplicatico, você poderá instalá-lo


A instalação do aplicativo deve ser feita como "superusuário" (roteador)

Para instalar o aplicativo, usa-se a seguinte sintaxe:

make install
</ital> Em caso de falha durante a compilação, limpar arquivos makefile que foram criados, automaticamente, durante a compilação, antes de recomeçar outra compilação. Isto pode ser feito graças ao comando:
make clean
</ital> Depois de todas essas etapas, seu programa deverá ser executável e estar localizado no diretório especificado durante a instalação, ou no /usr/local/nome_do_programa.

Mais informações




Artigo original
Para uma leitura offline, é possível baixar gratuitamente este artigo no formato PDF:
Linux-instalacao-de-softwares .pdf

A ver igualmente

Este documento, intitulado « Linux - Instalação de softwares »a partir de Kioskea (pt.kioskea.net) está disponibilizado sob a licença Creative Commons. Você pode copiar, modificar cópias desta página, nas condições estipuladas pela licença, como esta nota aparece claramente.