Kioskea
Pesquisar

Partição - Particionamento de um disco duro

Março 2015

O que é uma partição?

O Particionamento de um disco duro faz-se após a formatação física deste e antes da formatação lógica. Consiste em criar zonas no disco cujos dados não serão misturados. Isto serve, por exemplo, para instalar sistemas de exploração diferentes que não utilizam o mesmo sistema de ficheiros. Haverá então, no mínimo, tantas partições quantos os sistemas de exploração que utilizam sistemas de ficheiros diferentes. No caso de um utilizador de um sistema de exploração único, só uma partição da dimensão do disco pode ser suficiente, excepto se o utilizador desejar criar vários para fazer, por exemplo, vários leitores cujos dados são separados.

Há três espécies de partições: a partição principal, a partição vasta e os leitores lógicos. Um disco pode conter até quatro partições principais (das quais só uma pode estar activa), ou três partições principais e uma partição vasta. Na partição vasta, o utilizador pode criar leitores lógicos (ou seja, “simular” vários discos duros de dimensão menor).

Vejamos um exemplo, no qual o disco contém uma partição principal e uma partição vasta composta por três leitores lógicos (veremos seguidamente as partições principais múltiplas):


 




 

Para os sistemas DOS (DOS, Windows 9x), apenas a partição principal é bootável, é por isso a única sobre a qual se pode começar o sistema de exploração.

Chama-se partitionnement ao processo que consiste em escrever os sectores que constituirão a tabela de partição (que contém as informações sobre a partição: dimensão desta em termos de números de sectores, posição em relação à partição principal, tipos de partições presentes, sistemas de exploração instalados,…).


Quando a partição é criada, dá-se-lhe um nome de volume que vai permitir identificá-la facilmente.

Master Boot Record


O sector de arranque (chamadoMaster Boot Record ou MBR em inglês) é o primeiro sector de um disco duro (cilindro 0, cabeça 0 e sector 1), contém a tabela de partição principal (em inglês partition table) e o código, chamado boot loader que, uma vez carregado em memória, vai permitir começar (bootar) o sistema.
Este programa, uma vez memória, vai determinar em que partição o sistema vai arrancar, e vai começar o programa (chamado bootstrap) que vai começar o sistema de exploração presente nesta partição.
Por outro lado, é este sector do disco que contém todas as informações relativas ao disco duro (fabricante, número de série, número de bytes por sector, número de sectores por cluster, número de sectores,…). Este sector é por conseguinte o sector mais importante do disco duro, serve para o setup do BIOS reconhecer o disco duro. Assim, sem este o seu disco duro fica inutilizável, é por conseguinte um alvo de predilecção para os vírus.

Os sistemas de ficheiros

Nesta secção iremos diferenciar o sistema de ficheiro FAT da tabela de subsídio dos ficheiros (FAT em inglês).

Chama-se FAT ao sistema de ficheiros utilizados pelos sistemas de exploração DOS (DOS e Windows 95 bem como Windows NT e OS/2 que o suportam).


Sistema de exploraçãoSistema de ficheiros associado
DOSFAT16
Windows XPNTFS
Windows 98FAT32
Windows 95FAT16 - FAT32 (pour la version OSR2)
Windows NTNTFS
OS/2HPFS
LinuxLinux Ext2, Linux Ext3



O sistema de ficheiros FAT carateriza-se pela utilização de uma tabela de subsídio de ficheiros e de clusters (ou blocos).

Os clusters são as unidades mais pequenas de armazenamento do sistema de ficheiro FAT. Um cluster representa na realidade um número fixo de sectores do disco.

O FAT (File Allocation Table: tabela de subsídio dos ficheiros) é o coração do sistema de ficheiros. Está localizado no sector 2 do cilindro 0 à cabeça 1 (é duplicado num outro sector por medidas de precaução em caso de acidente). Nesta tabela estão registados os números dos clusters utilizados, e onde estão situados os ficheiros nos clusters.

O sistema de ficheiros FAT suporta discos ou partições de uma dimensão que vai até 2 GB, mas autoriza no máximo 65536 clusters. Assim, qualquer que seja a dimensão da partição ou o disco, tem de haver sectores suficientes por cluster de modo que todo o espaço disco possa ser contido neste 65525 clusters. Assim, quanto maior é a dimensão do disco (ou da partição), mais o número de sectores por cluster deve ser grande.

O sistema de ficheiro FAT utiliza um <gras>directório raiz (representado nos sistemas de explorações que utilizam este tipo de sistema de ficheiros pelo sinal C:\), que deve estar situado num lugar específico do disco duro. Este directório raiz armazena as informações sobre as subdirectorias e ficheiros que contém. Para um ficheiro, armazenará por conseguinte:

  • o nome de ficheiro
  • a dimensão do ficheiro
  • a data e a hora da última modificação do ficheiro
  • os atributos do ficheiro
  • o número do cluster em que o ficheiro começa

Utilizar partições múltiplas

Há, como vimos previamente, três espécies de partições: as partições principais, a partição vasta e os leitores lógicos. Um disco pode conter até quatro partições principais (das quais só uma pode ser activa), ou três partições principais e uma partição vasta. Na partição vasta, o utilizador pode criar leitores lógicos (ou seja, fazer de modo ter a a impressão de que há vários discos duros de dimensão menor).

Partição principal



Uma partição principal deve ser formatada logicamente, seguidamente conter um sistema de ficheiro que corresponda ao sistema de exploração instalado nesta.
Se por acaso tem várias partições principais no seu disco, só uma estará activa e visível ao mesmo tempo, isto dependerá do sistema de exploração em que arrancou o computador. Escolhendo o sistema de exploração que lança ao arranque, determina a partição que será visível. A partição activa é a partição sobre a qual um sistema de exploração começa aquando do lançamento do computador. As outras partições ficarão então escondidas, o que impedirá de aceder aos seus dados. Assim, os dados de uma partição principal são acessíveis apenas a partir do sistema de exploração instalado nesta partição.


 

Partição vasta


A partição vasta foi criada para exceder o limite das quatro partições principais, tendo a possibilidade de criar todos os leitores lógicos que desejar. Pelo menos um leitor lógico é necessário numa partição vasta, porque não pode armazenar dados directamente.

Muitas máquinas são formatadas numa grande partição que utiliza a integralidade do espaço disponível do leitor. Não é, no entanto, a solução mais vantajosa em termos de desempenhos e de capacidade. A solução é criar várias partições, que lhe vai permitir:

  • instalar vários sistemas de exploração no seu disco
  • economizar espaço no disco
  • aumentar a segurança dos seus ficheiros
  • organizar mais facilmente os seus dados



Vejamos o aspecto de um sistema que comporta vários sistemas de exploração :

Para uma leitura offline, é possível baixar gratuitamente este artigo no formato PDF:
Particao-particionamento-de-um-disco-duro.pdf

A ver igualmente


Partition - Partitioning a hard drive
Partition - Partitioning a hard drive
Partición - Cómo particionar un disco rígido
Partición - Cómo particionar un disco rígido
Partition - Partitionierung einer Festplatte
Partition - Partitionierung einer Festplatte
Partition - Partitionnement d'un disque dur
Partition - Partitionnement d'un disque dur
Partizione - Partizione di un disco rigido
Partizione - Partizione di un disco rigido
Este documento, intitulado « Partição - Particionamento de um disco duro »a partir de Kioskea (pt.kioskea.net) está disponibilizado sob a licença Creative Commons. Você pode copiar, modificar cópias desta página, nas condições estipuladas pela licença, como esta nota aparece claramente.