Serial ATA (SATA ou S-ATA)

Maio 2015

Introdução

O padrão Serial ATA (S-ATA ou SATA) é um canal standard que permite a conexão de periféricos de armazenamento de elevado débito em computadores de tipo PC.

O padrão Serial ATA apareceu em Fevereiro de 2003 a fim de paliar as limitações da norma ATA (mais conhecida sob o nome “IDE” e retroactivamente chamada Parallel ATA), que utiliza um modo de transmissão em paralelo. Com efeito, o modo de transmissão em paralelo não foi pensado para suportar frequências elevadas devido aos problemas ligados às interferências electromagnéticas entre os diferentes fios.

Os cabos e periféricos na norma S-ATA podem nomeadamente ser reconhecidos pela presença do logotipo seguinte:

 

Logo Serial ATA

Princípio de Serial ATA

O padrão Serial ATA baseia-se numa comunicação em série. Uma via de dados é utilizada para transmitir os dados e uma outra via serve para a transmissão de avisos de recepção. Em cada um destas vias os dados são transmitidos utilizando o modo de transmissão LVDS (Low Voltage Differential Signaling) que consiste em transferir um sinal sobre um fio e o seu oposto sobre um segundo fio a fim de permitir ao receptor reconstituir o sinal por diferença. Os dados de controlo são transmitidos sobre a mesma via que os dados utilizando uma sequência de bits específica para os distinguir.

Assim, a comunicação pede duas vias transmissão, cada uma efectuada via dois fios, ou seja um total de quatro fios para a transmissão.


Conectores Serial-ATA

O cabo utilizado por Serial ATA é um cabo redondo composto por sete fios e terminado por um conector de 8 mm :

Connecteur Serial ATA




Três fios servem para a massa e os dois pares servem para a transmissão de dados.

O conector de alimentação é igualmente diferente: é composto por 15 pinos que permitem alimentar o periférico em 3.3V, 5V ou 12V e possui um aspecto similar ao conector de dados

Connecteur électrique Serial ATA

Características técnicas


O Serial ATA permite obter débitos de aproximadamente 187.5 Mo/s (1,5 Gb/s), ora cada byte é transmitido com uma bit de arranque (start bit) e uma bit de paragem (stop bit), ou seja um débito útil teórico de 150 Mo/s (1,2 Gb/s). O padrão Serial ATA II deveria permitir chegar aos 375 Mo/s (3 Gb/s), ou 300 Mo/s úteis teóricos, seguidamente a termo 750 Mo/s (6 Gb/s), ou 600 Mo/s úteis teóricos.

Os cabos Serial ATA podem medir até 1 metro de comprimento (contra 45 cm para as coberturas IDE). Além disso, o fraco número de fios num cabo redondo permite mais flexibilidade e uma melhor circulação do ar na caixa que com coberturas IDE (ainda que coberturas IDE redondas existam). Contrariamente à norma ATA, os periféricos Serial ATA estão sozinhos em cada cabo e já não é necessário definir “periféricos soberanos” e “periféricos escravos”


Por outro lado, a norma Serial ATA permite a conexão a quente dos periféricos (Hot Plug).

Mais informações

Pode encontrar todas as especificação técnicas no site de Serial ATA Working Group, organismo encarregado de manter o padrão Serial ATA :

Para uma leitura offline, é possível baixar gratuitamente este artigo no formato PDF:
Serial-ata-sata-ou-s-ata .pdf

A ver igualmente


Serial ATA (SATA or S-ATA)
Serial ATA (SATA or S-ATA)
Serial ATA (SATA o S-ATA)
Serial ATA (SATA o S-ATA)
Serial ATA (SATA oder S-ATA)
Serial ATA (SATA oder S-ATA)
Serial ATA (SATA ou S-ATA)
Serial ATA (SATA ou S-ATA)
Serial ATA (SATA o S-ATA)
Serial ATA (SATA o S-ATA)
Este documento, intitulado « Serial ATA (SATA ou S-ATA) »a partir de Kioskea (pt.kioskea.net) está disponibilizado sob a licença Creative Commons. Você pode copiar, modificar cópias desta página, nas condições estipuladas pela licença, como esta nota aparece claramente.